Arquivo de tim festival

Punk Cigano

Posted in Música, Vídeos with tags , , , , , on julho 29, 2010 by Jonatas

“Os roma roubam crianças”. Típica fala de pessoas mais antigas que propagavam uma imagem negativa do povo cigano. Um povo nômade, relativamente fechado, com visual espalhafatoso e que coloca sua comunidade acima de tudo, até mesmo praticando atos ilícitos para sua sobrevivência. Piratas, charlatões, caloteiros e mal-encarados. Se tudo isso é verdade, eu particularmente não sei. Mas definitivamente essa não é a imagem passada pelos integrantes do Gogol Bordello, grupo atípico de gypsy-punk e uma das bandas mais animadas e criativas em atividade hoje.

Utilizando a cultura de seu povo como base, e mesclando-a com ritmos do leste europeu, músicas folclóricas eslavas e punk-rock, produzem hinos multiétnicos que cheiram a rum e cigarros de palha. Suas performances altamente teatrais promovem uma imagem festeira, enérgica e boêmia elevando o ânimo de qualquer pessoa que se aventura pelas canções com um pouco de atenção.

Há dois anos o vocalista e comandante da trupe Eugene Hütz migrou para o Brasil após apresentar-se no TIM Festival. Apaixonado pelo público, pelo cheio do país e pelo sol, resolveu viver por aqui para juntar algumas experiências diferentes e se divertir um pouco. O fruto dessa mudança de ares é “Trans-Continental Hustle”, quinto disco da banda lançado essa semana. O álbum foi disponibilizado na íntegra no MySpace Oficial do Gogol Bordello. O primeiro single “Pala Tute” ganhou um clipe bastante colorido (no bom sentido, não no sentido Restart) que já está circulando pela rede (clique aqui para assistir). Na falta do embed, a gente fica com outro vídeo, né? :P

Se você ainda não conhece bem o trabalho dos caras, vale a pena pesquisar. Diversão garantida!

Gigantes do Subúrbio

Posted in Música, Novidades, Random with tags , , , , , , , , , , , , , , on julho 28, 2010 by Jonatas

Muitos críticos musicais e culturais dizem que vivenciamos um início de século fraco na música. Chamam nossa geração músical de “vocalizadores do efêmero”, responsáveis por canções notáveis por um curto período de tempo, mas completamente esquecíveis a longo prazo. É claro que existem muitas bandas assim por ai hoje, mas elas sempre existiram e sempre existirão. Precisamos vislumbrar nuances de genialidade em meio ao mar de novidades diárias que nem sempre valem a pena. E eu me arrisco aqui a dizer que os canadenses do Arcade Fire são muito provavelmente tão incríveis e históricamente relevantes quanto Pink Floyd, Smiths ou The Cure já foram. Aliás, tem tudo para ser maiores, melhores e mais notáveis.

Acompanho a banda desde o início, quando lançaram em 2004 seu disco de estréia “Funeral”. Soturnos, melancólicos e tímidos, deixavam claras suas referências pós-punk iluminadas com poesias sensíveis e uma sonoridade pouco madura. Fiquei impressionado com o show enérgico que apresentaram no Tim Festival nessa época, bastante carismático. Eram diferentes e originais, apesar de pouco maduros ainda.

Então veio em 2006 o bombástico álbum “Neon Bible”. Aqui eles migraram da infância para a maturidade em todos os sentidos. Canções simétricamente perfeitas que rodeavam por inúmeros turbilhões emocionais de uma maneira tão tocante que era impossível tirar o disco do repeat. David Bowie citou que esse era um de seus discos preferidos e convidou a banda para abrir seus shows. Faixas como “Keep the Car Running” e “Intervention” foram elevadas pelos blogs ao patamar de clássicos. As indicações ao Grammy vieram e foram todas engolidas friamente. Para os integrantes o sucesso aparentava ser indiferente. E assim, depois de uma longa tournê sumiram para cumprirem seus projetos pessoais.

Para uma banda completamente underground de rock alternativo um hiato de quatro anos poderia favorecer seu esquecimento, mas surpreendentemente quando anunciaram que lançariam esse ano seu terceiro álbum de inéditas todos comentaram. As expectativas sobre o disco começaram a supervaloriza-lo antes mesmo do lançamento. E claro, a mídia tratou a novidade com certo desdém (com excessão de alguns jornalistas que se consideram cults e preferem remar sempre contra a maré). “The Suburbs”, como resolveram chamar o disco, supostamente não poderia superar seu trabalho anterior. “Neon Bible” seria para sempre a obra-prima da banda. Um grande erro pensar assim…

“The Suburbs” é tão avassaladoramente impressionante que calou o mundo. Não consegui ver uma crítica sequer até o momento que conseguisse descrever a sensação passada por essas 16 canções memoráveis. Todos ficaram de boca aberta com a novidade que se firma como um dos melhores discos da década (senão o melhor). Ficaram tão sem jeito com a situação que em algumas publicações chegaram a dizer que o disco é uma espécie melhorada de “Ok Computer”, clássico do Radiohead. Uma idiotice. Não dá para fazer comparações porque não existe uma referência para se comparar.

A faixa título já arrepia na primeira audição. “Ready to Start” abre o coração como se fosse uma pequena caixa de pandora e deixa fluir todos os sentimentos pelo ar. Assim o disco navega por diversas canções melancólicas e memoráveis até chegar em seu ápce com “Wasted Hours” que é quase um lamento choroso e pulsante ao mesmo tempo. E nesse ponto ele vai desacelerando delicadamente. É um disco perigoso de tão bonito! Ele realmente mexe com todos os sentidos e prende nossa atenção. Uma espécie de “O Apanhador do Campo de Centeio” sonoro. Não há um adjetivo sólido suficiente para descreve-lo.

O Arcade Fire conseguiu consolidar-se (pelo menos para mim) como um gigante da nossa geração. E deveriam ser escutados pelo menos uma vez por todos! Brilhantes e humildes até onde constam, merecem um pouco de atenção.

TIM Festival, o menor festival da Terra

Posted in Random with tags , , , , , , on outubro 24, 2008 by Jonatas

Tive a oportunidade de comparecer ontem ao Novas Raves, noite mais moderninha do grande evento TIM Festival, aqui em São Paulo, cujas atrações foram os britânicos do Klaxons e a novidade empolgante Neon Neon.

De longe, não era o mesmo festival que frequentei em edições anteriores. O Auditório Ibirapuera apesar de muito bom, não é muito grande. E ver aquele espaço relativamente pequeno sem sua lotação máxima é realmente desanimador. Parecia um show em quadra de escola. Fico pensando se o festival continuará de vento em popa nos próximos anos, pois na minha opinião, caiu num certo desgosto popular. Outra coisa que me chamou a atenção foram os merchans que não existiam nas demais edições, dominado pela Nívea e a cerveja Itaipava.

Mas coisinhas à parte, os shows. Sim, os shows foram bons (e não ótimos, veja bem). Klaxons é uma banda extremamente competente e cativante, tem presença de palco e uma simpatia inigualável atípica dos britânicos. O pessoal pulou e cantou ao som de grandes hits como “The Bounce”, “Golden Skans” e “Magick”, e mesmo as faixas mais desconhecidas ecoavam em coro pelo local. Foi um show gostoso, principalmente pelo fato de não ter aquele empura-empurra desagradável. Deu pra assistir com tranquilidade, debaixo do palco, de frente para o teclado.

Mas a noite foi do Neon Neon. Eu sinceramente nem conheço a banda direito, mas adorei. Apresentação simples, rápida e objetiva, misturando rock, música eletrônica, experimentalismos aleatórios e uma postura quase shoegazer. A faixa que fechou o show me lembrou um pouco de Sonic Youth, mas com batuques de carnaval e samples de poperô. Uma coisa assim, sem explicação. Com muita simpatia e um ensaiado português conseguiram ganhar o público. E aquela baixista era um espetáculo à parte, toda fofinha, toda sem jeito, extremamente tímida. Valeu a pena!

Entretanto, apesar das boas apresentações, o festival continuou pecando no atraso entre as bandas e cobrou um valou excessivo pelos ingressos. Não valeria a pena pagar R$150 para ver duas bandas. O formato do festival é péssimo e não atrai mais o público. É melhor os organizadores repensarem suas estratégias, ou teremos mais um bom evento esquecido e enterrado no fundo de uma gaveta…