Arquivo de Grunge

Kurt Não Dorme

Posted in Filmes, Novidades, Vídeos with tags , , , , , , , , , , , on julho 20, 2010 by Jonatas

Se depender de Hollywood, Kurt Cobain jamais descansará em paz. Mais uma cinebiografia sobre o vocalista suicida do Nirvana foi anunciada. O novo longa será baseado no livro “Mais Pesado Que O Céu” de Charles R. Cross. A direção ficará nas mãos de Oren Moverman, conhecido por escrever o roteiro de “Não Estou Lá”, cinebiografia de Bob Dylan.

Segundo Moverman, o novo filme sobre a vida do cantor deverá ser mais linear, cru e caótico. O longa pretende desenvolver toda a vida do músico desde a infância, passando pela banda, seu relacionamento conturbado, o vício em heroína e enfim, o suicídio. A produção ainda não tem roteiro pronto nem título divulgado e pode demorar bastante para sair, visto que está a cargo da viúva Courtney Love. Segundo a vocalista do Hole, essa não é sua maior prioridade no momento. Nenhum ator foi escolhido até então para interpretar Kurt Cobain, mas Love mostrou-se interessada em negociar com o ator escocês James McAvoy (de “O Procurado”) ou Ryan Gosling (de “Um Crime de Mestre”).

Enquanto nada acontece, vamos ouvir “Sappy”, uma das músicas mais legais que o Nirvana pôde produzir!

A Volta do Bush

Posted in Música, Vídeos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on junho 22, 2010 by Jonatas

Depois da ressurreição do Alice In Chains e Stone Temple Pilots diversas outras bandas expressivas dos anos 90 voltaram à tona, como Hole, Soundgarden, Rage Against the Machine, Smashing Pumpkins e até mesmo (pasmem) Guns’n’Roses. Logo, podemos esperar ai mais algumas reaparições e essa do Bush era completamente previsível.

O término da banda nunca ficou muito claro. Não houveram conflitos internos. Os integrantes apenas tinham interesses individuais. Alguns queriam produzir, outros queriam seguir em frente com a suas vidas em outras áreas ou simplesmente dedicar mais tempo à família. Caso esse do vocalista Gavin Rossdale (citado no post anterior) que na época namorava com a vocalista do No Doubt, Gwen Stefani, e tinha pretenções de casar e reproduzir (coisa que conseguiu fazer e perdura até o dia de hoje). Com o tempo Gavin fez uma investida solo para trilhas sonoras de filmes (“Adrenaline”, por exemplo, hit responsável pela venda absurda da trilha sonora do Triplo X), montou uma nova banda (Institute) e até chegou a atuar em filmes (o papel mais relevante foi o do híbrido demoníaco Baltazar em Constantine). Mas nada disso chegava aos pés do que um dia foi o Bush

Na década de 90 o Bush era supremo. Eram topo nas paradas da MTV e Billboard, gigantes nos palcos de festivais e donos de alguns dos singles mais memoráveis do pós-grunge. Até hoje nos EUA, é uma das bandas mais tocadas nas rádios perdendo apenas para Pearl Jam e Nirvana. Mas ai eles resolveram parar e todo aquele prestígio aparentemente ficou tímidamente escondido atrás de jovens bandas que evidenciavam a influencia da banda em suas canções. Mas ontem, Gavin Rossdale anunciou em seu Twitter que o Bush está de volta oficialmente

Não é uma surpresa, mas é uma ótima notícia! E podem ter certeza que a banda da sua esposa em breve voltará a atividade também. E eu aqui, particularmente, torço para que o Garbage também se reuna aproveitando essa onda noventista em pleno 2010.

Você não conhece Bush? Claro que conhece. Pode não lembrar, mas conhece. Em todo caso, joga ali no YouTube que tem muita música deles no gatilho. Aqui eu deixo só um gostinho do poder sonoro desses caras com o primeiro hit que escutei deles na MTV no meio da minha puberdade.

Orloff Five que foi Três e o Festival do Gás

Posted in Cultura Pop, Música with tags , , , , , , , , , , on setembro 8, 2008 by Jonatas

Nesse final de semana aconteceram dois dos primeiros grandes festivais desse segundo semestre de 2008 em São Paulo: O Gás Festival promovido pelo Guaraná Antártica e o Orloff Five promovido pela marca de vodka Orloff.

O post vai parecer grande, mas é por causa das imagens e vídeos, ok?!

No Gás Festival não houve nada demais, além da apresentação sempre ótima e madura dos veteranos do Bad Religion. A galera agitou com hits históricos e músicas do último disco de trabalho da banda. Se não me engano essa é a terceira passagem dos músicos aqui no Brasil, sendo que uma delas foi num aniversário da 89FM, quando ainda era a boa e velha rádio rock. Se não conhece essa banda, se enterra hahaha… Duvido que ninguém nunca tenha ouvido “American Jesus” ou “21st Century Digital Boy”, ou ainda mais recentemente “New America”. Banda punk, banda inteligente, banda de atitude!

Já no Orloff Five, o destaque foi completo e totalmente das bandas internacionais. O show dos brasileiros do Vanguart, apesar de serem muito bons e competentes, foi morno e sem muito sal. Foram ofuscados com certeza pelas atrações que entrariam mais tarde no palco. E o DJ Tittsworth… Bom, acho que ninguem percebeu que ele chegou a discotecar no intervalo dos shows. Pobrezinho.

Mas enfim, o importante é que todos os gringos não deixaram a desejar. Melvins, banda que rejeitou Kurt Cobain num teste, que faz grunge certeiro e animalesco sempre, fez um grunge certeiro e animalesco. Com seus 20 e poucos anos de estrada mostraram que o grunge não morreu e ainda deixa o povo desesperado nas rodas.

Confere ai “Civilized Worm”:

Depois entraram as garotas suecas (Não a banda Garotas Suecas) do Plasticines, bandinha meio alternativa, meio pop, com um oitavo de punk na atitude. Fizeram uma apresentação bem veterana apesar de praticamente debutarem nos palcos. Seus poucos singles conhecidos agitaram a platéia, mas o ponto forte foi o cover da canção de Nancy Sinatra, “This Boots Are Made For Walking”. Mas pra você conferir, rola a contagiante “Shake”:

Por fim, e definitivamente não menos importante, os Hives fizeram sua apresentação aterradora, energética, cabuloza, maligna, semi-afetada, punk de botique, espalhafatosa e arrogante. Com certeza eles são uma banda de palco e não de estúdio. As músicas são muito mais cruéis e secas, agitadas e sujas. E o vocalista é um show à parte, humilhando qualquer dançarino de psy com seus rebolations aleatórios, pulinhos surtados e chiliques doentios. Trabalharam principalmente seu disco novo, mas não faltaram os clássicos como “I Hate to Say I Told You So”:

E isso é só o começo do que vem por ai…

Lembra do Daniel?

Posted in Aleatórios, Música with tags , , on julho 28, 2008 by Jonatas

O Daniel Johns, vocalista daquela banda meio grunge, meio pós-grunge com um oitavo de alternativo, que era loirinho, anorexico, bulimico, deprimido, bonitinho (segundo as mulheres), atrofiado, rouco pra danar e fez um sucessão na segunda metade da década de 90, principalmente no final da mesma com aquele single aterrorizante “Anthem For the Year 2000” e uma porrada de baladinhas que vieram em anexo no fabuloso disco Neon Balroom??? Se não me engano a banda chamava Silverchair, agora lembra???

O que raios aconteceu com eles? Ao que lembro, Johns tinha umas doenças raras (Várias mesmo), e tinha largado a banda para tratamentos. Depois voltaram com o tal Diorama que não emplacou em parada nenhuma e morreram. Ninguém nunca mais ouviu falar. Nem um pio. Os milhares de fãs simplesmente esqueceram os caras.

Mas eu não!!! E escutando o disco esses dias que aprecio muito, resolvi pesquisar o rumo da banda.

Eis que no Google surge uma banda completamente diferente. OLHA O VISUAL DOS CARAS. Tipo, mó hype né meu?! xD~

Pois é. O Silverchair voltou para o underground. Eles nunca deixaram de tocar. Depois de uma breve pausa na banda, Daniel montou um grupo chamado Dissassociatives, meio indie-rock psicodélico que não deu certo. Logo, voltou para a Cadeira Prateada. Em 2007 lançaram um disco novo chamado Young Modern que só fez sucesso na Austrália e teve divulgação mínima no resto do mundo. Desse disco tiraram três faixas que renderam o sucesso do álbum em seu país de origem e algumas indicações para prêmios e tal. Hoje tocam em uma tournê que basicamente engloba a Oceania.


Silverchair – Straight Lines

Legal né?! Dá pra visualizar também os singles “Reflections Of A Sound” e “If You Keep Losing Sleep” no YouTube.

Love Remains the Same

Posted in Música, Vídeos with tags , on julho 14, 2008 by Jonatas

Que decepção!!! Eu adorava o Gavin Rossdale. Adorava o Bush. Adorava o Institute. Ai descobri sua música nova, essa tal “Love Remains the Same” que mais parece Rod Stewart na fase brega e começou o aperto no peito… Por fim vi o video clipe do desgraçado, com aquele visual meio Dinho Ouro-Preto, meio Ricky Martin, com direito a embaixadinha estilo Fenômeno pós-cirurgia… QUE DECEPÇÃO!!! O que a Gwen Stefani fez com você Gavinzinho??? São os filhos que acabaram com sua vida/carreira??? Anda deprimido???

OBS.: Esse não é o clipe, só um video ao vivo. Não tive coragem de colocar o original e a Universal não deixa =D