Arquivo para klaxons

A new-new-rave dos Klaxons

Posted in Música, Novidades with tags , , , , , , , , , , , on julho 4, 2010 by Jonatas

Depois de 3 anos parados e já praticamente esquecidos pela humanidade, a banda Klaxons (que conheceu a fama por cerca de 6 meses mas foi sugada por uma massa negra e sumiu do universo) anunciou seu retorno com um novo disco entitulado “Surfing the Void” que será lançado em agosto desse ano.

Precursores do new-rave, movimento cultural-geek-neon que rememorava o início das raves nos anos 90, os Klaxos dominaram as paradas britânicas e americanas em 2007 com criativas músicas bizarras que misturavam rock, música eletrônica, distorções vocais e objetos aleatórios que fazem barulho (como cristais e brinqudos). O buzz gerado por tais canções na internet foi tão grande que em menos de 2 meses a banda já dominava trilhas sonoras de games, filmes e seriados, além de ganhar uma infinidade de remixes de artistas renomados (pois é, até mesmo Chemical Brothers remixaram os caras…). A fórmula do sucesso repentino e imediato abriu portas para outras bandas do gênero dominarem o mundo com toda essa esquisitisse colorida (que apesar de estranha ainda tinha algum sentido e soava muito melhor do que esse movimento colorido que acontece no Brasil, o tal happy-rock).

O primeiro single do novo álbum, “Echoes”, já está disponível na rede:

Dá para perceber que o som da banda está bastante diferente, porém continua estanho. Não é mais dançante como no primeiro álbum “Myths Of the Near Future”, mas parece mais sombrio. Talvez seja efeito da produção do disco que ficou ao encargo de Ross Robinson, cara que já trabalhou com bandas como Korn e Slipknot.

Eu particularmente gosto de Klaxons e torço para que consigam superar o esquecimento e voltar ao Brasil, afinal o show deles aqui foi sensacional! Você ainda não conhecia a banda? Ouve essa faixa e essa outra aqui então, e dá uma checada no MySpace da banda ;)

Anúncios

2010’s: Two Door Cinema Club

Posted in Música, Novidades, Vídeos with tags , , , , , , , , , , on junho 28, 2010 by Jonatas

 

A maior parte dessas bandas novas que ganham enorme destaque na mídia mundial são bastante efêmeras. Duram dois ou três hits de um álbum de estréia interessante, mas somem quando tentam lançar um segundo disco por não atingirem mais aquela espectativa ou maturidade musical esperados. Foi assim com os brasileiros do CSS (Cansei de Ser Sexy) e muitas das bandas denominadas new-rave, como Klaxons e Late Of the Pier. E no meu ponto de vista, com o Two Door Cinema Club não será diferente. Posso estar enganado, mas arrisco que essa pode ser mais uma dessas bandas de um disco só.

O disco de estréia “Tourist History” é bem legal. Tem algumas músicas memoráveis, ótimas para pistas de dança e para momentos felizes. Mostram que o trio formado em 2007 na Irlanda do Norte tem energia para gastar e muita criatividade. Mas não concretiza o futuro da banda como grande promessa. É apenas uma banda legal para momentos legais que aparentemente cairá no esquecimento em quatro ou cinco anos, mas que vale a pena ser escutada pela força de vontade e originalidade em algumas faixas.

Para escutar mais faixas da banda, visite o MySpace e o Site Oficial.

TIM Festival, o menor festival da Terra

Posted in Random with tags , , , , , , on outubro 24, 2008 by Jonatas

Tive a oportunidade de comparecer ontem ao Novas Raves, noite mais moderninha do grande evento TIM Festival, aqui em São Paulo, cujas atrações foram os britânicos do Klaxons e a novidade empolgante Neon Neon.

De longe, não era o mesmo festival que frequentei em edições anteriores. O Auditório Ibirapuera apesar de muito bom, não é muito grande. E ver aquele espaço relativamente pequeno sem sua lotação máxima é realmente desanimador. Parecia um show em quadra de escola. Fico pensando se o festival continuará de vento em popa nos próximos anos, pois na minha opinião, caiu num certo desgosto popular. Outra coisa que me chamou a atenção foram os merchans que não existiam nas demais edições, dominado pela Nívea e a cerveja Itaipava.

Mas coisinhas à parte, os shows. Sim, os shows foram bons (e não ótimos, veja bem). Klaxons é uma banda extremamente competente e cativante, tem presença de palco e uma simpatia inigualável atípica dos britânicos. O pessoal pulou e cantou ao som de grandes hits como “The Bounce”, “Golden Skans” e “Magick”, e mesmo as faixas mais desconhecidas ecoavam em coro pelo local. Foi um show gostoso, principalmente pelo fato de não ter aquele empura-empurra desagradável. Deu pra assistir com tranquilidade, debaixo do palco, de frente para o teclado.

Mas a noite foi do Neon Neon. Eu sinceramente nem conheço a banda direito, mas adorei. Apresentação simples, rápida e objetiva, misturando rock, música eletrônica, experimentalismos aleatórios e uma postura quase shoegazer. A faixa que fechou o show me lembrou um pouco de Sonic Youth, mas com batuques de carnaval e samples de poperô. Uma coisa assim, sem explicação. Com muita simpatia e um ensaiado português conseguiram ganhar o público. E aquela baixista era um espetáculo à parte, toda fofinha, toda sem jeito, extremamente tímida. Valeu a pena!

Entretanto, apesar das boas apresentações, o festival continuou pecando no atraso entre as bandas e cobrou um valou excessivo pelos ingressos. Não valeria a pena pagar R$150 para ver duas bandas. O formato do festival é péssimo e não atrai mais o público. É melhor os organizadores repensarem suas estratégias, ou teremos mais um bom evento esquecido e enterrado no fundo de uma gaveta…