Arquivo para outubro, 2008

Primeira Baixa Planeta Terra: Calvin Harris

Posted in Random with tags , , , , , on outubro 28, 2008 by Jonatas

É, a coisa não anda fácil não. O Festival Planeta Terra sofreu sua primeira baixa: Calvin Harris. Ao que parece, o DJ e produtor não irá mais se apresentar no festival por problemas de saúde e ordem médica, que o impedem de viajar. Os produtores do evento estão à procura de uma nova atração para substituí-lo, dando prioridade para artistas internacionais, mas não descartando a possibilidade de incluir um artista nacional na line up.

O Festival Planeta Terra acontece no dia 8 de novembro em São Paulo, e dentre as atrações confirmadas estão Offspring, Jesus & Mary Chain, Bloc Party, Kaiser Chiefs, Breeders, Foals e Animal Collective, caso ninguém mais cancele =P

Esse é o quinto cancelamento de apresentações no Brasil em 2008. Nine Inch Nails, Paul Weller, Stone Temple Pilots e The Gossip são outras das atrações que não vieram.

E olha… Esse valeria a pena ver ao vivo hein?!

Anúncios

TIM Festival, o menor festival da Terra

Posted in Random with tags , , , , , , on outubro 24, 2008 by Jonatas

Tive a oportunidade de comparecer ontem ao Novas Raves, noite mais moderninha do grande evento TIM Festival, aqui em São Paulo, cujas atrações foram os britânicos do Klaxons e a novidade empolgante Neon Neon.

De longe, não era o mesmo festival que frequentei em edições anteriores. O Auditório Ibirapuera apesar de muito bom, não é muito grande. E ver aquele espaço relativamente pequeno sem sua lotação máxima é realmente desanimador. Parecia um show em quadra de escola. Fico pensando se o festival continuará de vento em popa nos próximos anos, pois na minha opinião, caiu num certo desgosto popular. Outra coisa que me chamou a atenção foram os merchans que não existiam nas demais edições, dominado pela Nívea e a cerveja Itaipava.

Mas coisinhas à parte, os shows. Sim, os shows foram bons (e não ótimos, veja bem). Klaxons é uma banda extremamente competente e cativante, tem presença de palco e uma simpatia inigualável atípica dos britânicos. O pessoal pulou e cantou ao som de grandes hits como “The Bounce”, “Golden Skans” e “Magick”, e mesmo as faixas mais desconhecidas ecoavam em coro pelo local. Foi um show gostoso, principalmente pelo fato de não ter aquele empura-empurra desagradável. Deu pra assistir com tranquilidade, debaixo do palco, de frente para o teclado.

Mas a noite foi do Neon Neon. Eu sinceramente nem conheço a banda direito, mas adorei. Apresentação simples, rápida e objetiva, misturando rock, música eletrônica, experimentalismos aleatórios e uma postura quase shoegazer. A faixa que fechou o show me lembrou um pouco de Sonic Youth, mas com batuques de carnaval e samples de poperô. Uma coisa assim, sem explicação. Com muita simpatia e um ensaiado português conseguiram ganhar o público. E aquela baixista era um espetáculo à parte, toda fofinha, toda sem jeito, extremamente tímida. Valeu a pena!

Entretanto, apesar das boas apresentações, o festival continuou pecando no atraso entre as bandas e cobrou um valou excessivo pelos ingressos. Não valeria a pena pagar R$150 para ver duas bandas. O formato do festival é péssimo e não atrai mais o público. É melhor os organizadores repensarem suas estratégias, ou teremos mais um bom evento esquecido e enterrado no fundo de uma gaveta…

00’s: The Bravery

Posted in Cultura Pop, Música with tags , , , , on outubro 20, 2008 by Jonatas

Banda de rock alternativo da cena nova-iorquina, foi uma figurinha carimbada nas paradas do mundo todo com seus hits “An Honest Mistake”, “Fearless” e “Unconditional”. No começo de 2007 lançaram um novo disco que não emplacou tanto quanto o disco de estréia e que consequentemente retirou-os da grande mídia.

Com uma pegada dançante e ao mesmo tempo soturna, produzem canções alucinantes e memoráveis, daquelas que não saem da cabeça. As influencias de bandas como The Cure e Depeche Mode são claramente explícitas.

Não conhece??? Escuta ai “An Honest Mistake”

Agora compara com o single mais recente, “Believe”:

Dica Brasuca: Sandálias

Posted in Música, Random with tags , , , on outubro 18, 2008 by Caks

A banda Sandálias teve início em 2007, com parte da formação da antiga banda Hai-Cai. De Porto Alegre, esses meninos caíram pro pop, o que chamou a atenção de muita gente, mas penderam pro rock com influências (muito boas) de Arctic Monkeys, QOTSA e Franz Ferdinand, formando um pop-rock de garagem muito bom, assim como todo rock gaúcho, não desapontam.

Ouvir Sandálias é como estar no sul do país. Fechar os olhos, tomar a cerveja e sentir a energia que o rock de lá passa. O sotaque forte, as letras mais regionalistas e as tradições têm presença na música.
Recentemente a banda participou do concurso GAS Sound como uma das dez melhores bandas do sul e teve a aprovação dos jurados.

Atualmente eles estão fazendo alguns shows pelo sul do país e pretendem vir para o sudeste…tomara que venham logo!

MySpace: Sandálias

Caks

Top 10: Músicas para Correr

Posted in Música with tags , , , , on outubro 16, 2008 by Caks

Imagem: Marcelo

Eu como uma pessoa que vende saúde, levanto a bandeira dos esportes…e como não sou boa em nada, pelo menos correr eu sei, não tanto pra competir numa São Silvestre, mas eu curto correr na esteira, na rua, na praia…tudo para manter o corpinho e entrar nas roupas. Separei uma lista das 10 músicas que me fazem sentir a adrenalina na pele e me impulsiona a colocar o tênis e correr por aí.

1) Britney Spears – Womanizer
2) Hard-Fi – Toxic (Britney Cover)
3) Matanza – Mesa de Saloon (recomendo versão ao vivo!)
4) Justice – DVNO
5) Matchbox 20 – How Far We´ve Come
6) Offspring – Pretty Fly (For a White Guy)
7) Motorhead – Ace of Spades
8) The Ting Tings – That´s Not My Name
9) The Gossip – Standing in the Way of Control
10) Paramore – Misery Business

EXTRA para abdominal: Justin Timberlake – Lovestoned/I Think She Knows

Fiquem a vontade para copiar…ou não! ;)

Caks

Agenda São Paulo (15 a 18 de Outubro)

Posted in Random on outubro 15, 2008 by Jonatas

Quarta (15/10):

* A cantora escocesa KT Tunstall se apresenta pela primeira vez no Brasil na Via Funchal, mostrando um pouco da sua mistureba pop-rock-folk. Se tiver tempo e dinheiro vale a pena conferir. Os ingressos variam de R$100 a R$280.

* No Credicard Hall rola show da cantora fofa californiana Colbie Caillat. Ingressos: de R$70 a R$250.

* Os DJs do Killer On the Dancefloor discotecam na FunHell, noite badalada da casa noturna Funhouse. Na porta: R$10.

Quinta (16/10):


* Cérebro Eletrônico faz show especial pré-TIM Festival no Studio SP. Entrada: R$25, mas com nome na lista fica por R$15.

Sexta (17/10):


* Vanguart se apresenta no Studio SP precedido pela sempre boa discotecagem da DJ Miss Má. Ingresso: R$25.

* No Clube Berlin rola show da banda Stella Viva por apenas R$5.

Sábado (18/10):

* MopTop e Monno na Outs. Entrada: R$15 para homens, R$12 para mulheres.

* Já na Inferno, a banda curitibana Faichecleres mostra seu som para um público selecionado. Abertura do The Beagles. Entrada: R$15.

Discoteca: Depeche Mode – Violator

Posted in Random with tags , , , , , , , on outubro 15, 2008 by Jonatas

01) World In My Eyes
02) Sweetest Perfection
03) Personal Jesus
04) Halo
05) Waiting For the Night
06) Enjoy the Silence
07) Policy Of Truth
08) Blue Dress
09) Clean

O Depeche Mode nunca quis alcançar a massa, mesmo quando lançou o disco Music For the Masses. Faziam músicas introspectivas, delicadas, sobre experiências pessoais e temas complexos como religião, imoralidade, pecados e incestos. Tudo regado a fortes levadas eletrônicas e experimentais que chegavam a distoar com o darkwave proposto por Martin Gore e David Graham. E esse disco, que levou a banda ao estrelato era o mais introspectivo de todos os lançados até o início dos anos 90.

Ainda hoje vemos milhares de bandas fazendo covers de “Personal Jesus” ou “Policy Of Truth”. Existem dúzias de remixes de “Waiting For the Night” e “Enjoy the Silence”. Até mesmo “Clean”, uma faixa depressiva semelhante à obras clássicas do Pink Floyd, ainda é uma das músicas mais baixadas na internet.

Violator é um disco curto, porém excencial. Ele mostra o grupo no auge de seu sucesso e criatividade, explicitando como algo pode se tornar um clássico e permanecer depois de tantos anos atual.