Archive for the Novidades Category

Lamb Of God

Posted in 2010's, Música, Novidades, Shows on agosto 10, 2010 by Feffa

2010 prometeu ser o ano metal no Brasil, e assim vem se cumprindo tal profecia. Após passagens de bandas como Lacuna Coil e Job For A Cowboy, ambas produções da Liberation Music Company – que particularmente dizendo prometeu e cumpriu este ano – o próximo “soco na cara “ será dia 26 de Setembro no Espaço Lux, dia em que o Lamb Of God desembarca por aqui.

A banda americana auto denominada “metal americano puro” que foi formada em 1991 e já participou de grandes turnês como o Ozzyfest, promete um show de peso, religião, política, miséria e sarcasmo, já que segundo Randy Blythe (vocal), o nome Lamb Of God (Ovelha de Deus) não passa disso, puro sarcasmo.

Para nós fãs da banda, o que nos resta é aguardar ansiosamente e ver o resultado de mais um show de peso que a Liberation nos concedeu a graça. E se você gosta de metal e nunca teve oportunidade de ouvir, fica aí uma ótima dica para sua Playlist.

Gigantes do Subúrbio

Posted in Música, Novidades, Random with tags , , , , , , , , , , , , , , on julho 28, 2010 by Jonatas

Muitos críticos musicais e culturais dizem que vivenciamos um início de século fraco na música. Chamam nossa geração músical de “vocalizadores do efêmero”, responsáveis por canções notáveis por um curto período de tempo, mas completamente esquecíveis a longo prazo. É claro que existem muitas bandas assim por ai hoje, mas elas sempre existiram e sempre existirão. Precisamos vislumbrar nuances de genialidade em meio ao mar de novidades diárias que nem sempre valem a pena. E eu me arrisco aqui a dizer que os canadenses do Arcade Fire são muito provavelmente tão incríveis e históricamente relevantes quanto Pink Floyd, Smiths ou The Cure já foram. Aliás, tem tudo para ser maiores, melhores e mais notáveis.

Acompanho a banda desde o início, quando lançaram em 2004 seu disco de estréia “Funeral”. Soturnos, melancólicos e tímidos, deixavam claras suas referências pós-punk iluminadas com poesias sensíveis e uma sonoridade pouco madura. Fiquei impressionado com o show enérgico que apresentaram no Tim Festival nessa época, bastante carismático. Eram diferentes e originais, apesar de pouco maduros ainda.

Então veio em 2006 o bombástico álbum “Neon Bible”. Aqui eles migraram da infância para a maturidade em todos os sentidos. Canções simétricamente perfeitas que rodeavam por inúmeros turbilhões emocionais de uma maneira tão tocante que era impossível tirar o disco do repeat. David Bowie citou que esse era um de seus discos preferidos e convidou a banda para abrir seus shows. Faixas como “Keep the Car Running” e “Intervention” foram elevadas pelos blogs ao patamar de clássicos. As indicações ao Grammy vieram e foram todas engolidas friamente. Para os integrantes o sucesso aparentava ser indiferente. E assim, depois de uma longa tournê sumiram para cumprirem seus projetos pessoais.

Para uma banda completamente underground de rock alternativo um hiato de quatro anos poderia favorecer seu esquecimento, mas surpreendentemente quando anunciaram que lançariam esse ano seu terceiro álbum de inéditas todos comentaram. As expectativas sobre o disco começaram a supervaloriza-lo antes mesmo do lançamento. E claro, a mídia tratou a novidade com certo desdém (com excessão de alguns jornalistas que se consideram cults e preferem remar sempre contra a maré). “The Suburbs”, como resolveram chamar o disco, supostamente não poderia superar seu trabalho anterior. “Neon Bible” seria para sempre a obra-prima da banda. Um grande erro pensar assim…

“The Suburbs” é tão avassaladoramente impressionante que calou o mundo. Não consegui ver uma crítica sequer até o momento que conseguisse descrever a sensação passada por essas 16 canções memoráveis. Todos ficaram de boca aberta com a novidade que se firma como um dos melhores discos da década (senão o melhor). Ficaram tão sem jeito com a situação que em algumas publicações chegaram a dizer que o disco é uma espécie melhorada de “Ok Computer”, clássico do Radiohead. Uma idiotice. Não dá para fazer comparações porque não existe uma referência para se comparar.

A faixa título já arrepia na primeira audição. “Ready to Start” abre o coração como se fosse uma pequena caixa de pandora e deixa fluir todos os sentimentos pelo ar. Assim o disco navega por diversas canções melancólicas e memoráveis até chegar em seu ápce com “Wasted Hours” que é quase um lamento choroso e pulsante ao mesmo tempo. E nesse ponto ele vai desacelerando delicadamente. É um disco perigoso de tão bonito! Ele realmente mexe com todos os sentidos e prende nossa atenção. Uma espécie de “O Apanhador do Campo de Centeio” sonoro. Não há um adjetivo sólido suficiente para descreve-lo.

O Arcade Fire conseguiu consolidar-se (pelo menos para mim) como um gigante da nossa geração. E deveriam ser escutados pelo menos uma vez por todos! Brilhantes e humildes até onde constam, merecem um pouco de atenção.

O Legado

Posted in Filmes, Música, Novidades with tags , , , , , on julho 24, 2010 by Jonatas

Todo mundo já deve ter lido pela internet ou visto o trailer de um dos filmes mais esperados do ano Tron: O Legado. Algo que poucos sabem é que o duo francês Daft Punk está responsável pela produção da trilha sonora do mesmo. Agora, o que pouquíssimos sabem (por enquanto) é que além de produzirem a trilha, os robóticos DJs também compuzeram algumas faixas inéditas especialmente para o longa e que seis dessas faixas vazaram e já estão em circulação pela rede!

A quantidade de canções excede as expectativas e mostra que a dupla possui muito material novo preparado. Podemos contar (em breve) com um novo disco de inéditas que provavelmente conterá parte (senão todas) as canções da trilha de Tron. O último disco de inéditas do Daft Punk, “Human After All”, foi lançado em 2005 e desde então não houve mais nenhuma novidade, seja um remix ou uma participação conjunta com outros artistas. Já está mais do que na hora de promoverem um novo trabalho.

Considerados gurus da música eletrônica, o Daft Punk foi responsável por alguns dos melhores hits eletrônicos dos anos 90. Singles como “One More Time”, “Technologic” e “Around the World” ganharam infinitos remixes e ainda são constantemente executados nas pistas de dança do mundo inteiro. Em 2009, ganharam o Grammy de Melhor Gravação Dance por seu DVD ao vivo “Harder Better Faster Stronger (Alive 2007)”.

Para ouvir as seis faixas de Tron: O Legado, clique aqui.

Lançamento: Venus Volts Is Dead?

Posted in Made In Brasil, Novidades, Vídeos with tags , , on julho 23, 2010 by Jonatas

Semana passada fiz um post na “coluna” Made In Brazil (leia aqui) sobre a banda Venus Volts, elogiando seu som enérgico, viciante e extremamente empolgante. Apenas um post para divulgar uma banda que merece espaço, que merece ser escutada.

O que eu não esperava é que o vocalista e guitarrista Pellê entrasse em contato comigo em função desse post. Pois bem, foi o que aconteceu! Trocamos algumas mensagens, rolaram agradecimentos mútuos e mais: generosamente a banda convidou esse blog para lançar oficialmente seu primeiro disco “Venus Volts Is Dead?”. E para tanto, disponibilizou gratuitamente o disco COMPLETO para download. Isso aê galera, DOWNLOAD. E totalmente LEGAL. Basta acessar o link abaixo para ouvir em primeira mão o mais que bem-vindo disco de estréia do Venus Volts!

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Por essa ninguém mesmo esperava hehehe

Espero que gostem do disco, que passem para seus amigos, pais, irmãos e tias. O Musikaholic deseja muita sorte para todos os integrantes da banda e torce para que repensem seu futuro musical. Afinal, precisamos de bandas boas assim não é mesmo?

Dave Grohl seu SPOILER!

Posted in Música, Novidades, Vídeos with tags , , , , , , , on julho 22, 2010 by Jonatas

Redes sociais são realmente incríveis. Até mesmo as inalcançáveis celebridades gostam de brincar no Twitter, no Facebook, no Tumblr. Dave Grohl, ex-baterista do Nirvana, atual baterista do Them Crooked Vultures e vocalista em férias do Foo Fighters, não conseguiu se segurar e contou pra galera no microblogging Twitter que está no estúdio produzindo demos para o sétimo disco desta última banda citada. Junto ao comentário, diversas fotos aleatórias foram postadas mostrando cabos, pedaleiras, capas de DVDs e outras banalidades contidas em um local de trabalho musical.

Quando o disco sairá? Qual o nome do disco? Quando teremos maiores novidades? Quantas faixas serão? Vão rolar mais previews na internet? Será que eles vão disponibilizar trechos das demos? Nenhuma dessas perguntas tem resposta. Mas é realmente interessante saber que os Foo Fighters estão produzindo novas canções, principalmente após comentários de que a banda terminaria “à francesa” para que seus integrantes pudessem trabalhar em projetos paralelos.

Ainda existem boatos de que Rick Rubin, produtor do clássico disco “Blood Sugar Sex Magic” (dos Red Hot Chilli Peppers, lançado em 1991. Leia mais aqui) está trabalhando nesse novo disco. Se for realmente verdade, podemos esperar ai um ótimo álbum!

Até lá, vamos lembrar do que é bom não é mesmo? “My Hero”, uma das melhores faixas da década de 90:

Kurt Não Dorme

Posted in Filmes, Novidades, Vídeos with tags , , , , , , , , , , , on julho 20, 2010 by Jonatas

Se depender de Hollywood, Kurt Cobain jamais descansará em paz. Mais uma cinebiografia sobre o vocalista suicida do Nirvana foi anunciada. O novo longa será baseado no livro “Mais Pesado Que O Céu” de Charles R. Cross. A direção ficará nas mãos de Oren Moverman, conhecido por escrever o roteiro de “Não Estou Lá”, cinebiografia de Bob Dylan.

Segundo Moverman, o novo filme sobre a vida do cantor deverá ser mais linear, cru e caótico. O longa pretende desenvolver toda a vida do músico desde a infância, passando pela banda, seu relacionamento conturbado, o vício em heroína e enfim, o suicídio. A produção ainda não tem roteiro pronto nem título divulgado e pode demorar bastante para sair, visto que está a cargo da viúva Courtney Love. Segundo a vocalista do Hole, essa não é sua maior prioridade no momento. Nenhum ator foi escolhido até então para interpretar Kurt Cobain, mas Love mostrou-se interessada em negociar com o ator escocês James McAvoy (de “O Procurado”) ou Ryan Gosling (de “Um Crime de Mestre”).

Enquanto nada acontece, vamos ouvir “Sappy”, uma das músicas mais legais que o Nirvana pôde produzir!

Made In Brazil: Medulla

Posted in Made In Brasil, Novidades, Vídeos with tags , , , , , , , , on julho 20, 2010 by Jonatas

Ouvindo Medulla da para acreditar que o rock nacional ainda tem salvação. Letras incrivelmente inteligentes cheias de frases marcantes com forte apelo crítico munidas de um instrumental pesado que não excede os limites do bom senso e fortalecem o poder da voz rouca dos gêmeos Keops e Raony. Tudo soa perfeitamente no lugar trazendo um enorme leque de influencias que passam por diferentes vertentes musicais como new-metal, dub, jazz, MPB e hip-hop, mesclados em uma experimentação agradável.

Desde 2005 na estrada, possuem um disco espetacular lançado que passeia por ótimas faixas como “O Circo”, “Munição na Mamadeira” e “Susi”. Há também uma releitura da faixa “O Velho”, originalmente famosa na voz de Chico Buarque. Desde então estão lançando um novo disco em partes, através de compactos publicados em diferentes formatos (fitas k7, pen drives, mp3, etc). Serão no total quatro compactos que além das faixas inéditas trazem material multimídia e videos. O terceiro compacto entitulado “Capital Erótico” deve ser lançado em breve.

O som da Medulla já foi comparado com O Rappa, o que abriu portas para a inserção de seus trabalhos na mídia e em festivais de renome nacional. O clipe da música “O Novo” (acima) chegou a entrar nas paradas da MTV Brasil, provando que ainda existe um pouco de cérebro nessa remessa fraca de adolescentes. Torço para que encontrem o sucesso que merecem, afinal, não é todo dia que ouvimos algo tão bom!

Para conhecer mais do Medulla e acompanhar os lançamentos dos compactos, visite o MySpace oficial da banda. Lá também tem links para diversas redes sociais em que estão presentes ;)

Jakob Goes Dylan

Posted in Música, Novidades with tags , , , , , , , , on julho 19, 2010 by Jonatas

Durante toda a década de 90 as rádios ficaram infestadas com hits melosos e bem trabalhados da tímida banda Wallflowers, encabeçada pelo subestimado vocalista Jakob Dylan, ilustre filho de um ilustríssimo divisor de águas musical, Bob Dylan. Subestimado porque era inevitável não comparar o filho com o pai. A crítica massacrava alguns versos simples e melodias pop como se fosse obrigação de Jakob criar canções históricas e inteligentes. Sabe como é, a genética não pode falhar.

Mas ele conseguiu calar a boca da mídia. Vendeu milhões fazendo um rock alternativo agradável totalmente diferente do folk com o qual cresceu ouvindo. Não haviam rastros de country ou de blues em suas canções. Nada bucólico ou que soasse interiorano. Letras fáceis e pegajosas bastante coesas. Até conseguiram a benção de outro ícone da música, David Bowie, que permitiu a regravação de uma de suas canções para a trilha sonora de um filme inadequado (“Heroes”, regravada para a trilha do filme Godzilla). Jakob Dylan conseguiu se mostrar original e não ligava se agradava ou não os gregos e os troianos. Até que a banda acabou e fez-se necessário arriscar-se sozinho pela música. E nesse ponto que a situação foi revertida.

A carreira solo de Jakob Dylan soa como Bob Dylan. O folk está lá. O country também. Todos os versos parecem ter sido elaborados simetricamente perfeitos para soarem bucólicos. O vocal sereno meio caipira marca sua presença. Se fechar os olhos consegue até mesmo sentir o cheiro de grama molhada pela manhã naquele sítio isolado da humanidade e do café fresco preparado carinhosamente em um fogão à lenha. O pequeno Dylan decidiu que quer ser igual ao grande Dylan.

Apesar da cópia deslavada as canções são bonitas e em alguns momentos bastante interessantes. Não servem para ser clássicos e muito provavelmente nem atinjam o mainstream, mas valem a pena ser escutadas. Perdeu-se a originalidade (até mesmo visual, afinal o filho é a cara do pai e agora se veste como este também) em busca de uma zona de conforto que não era necessária para um artista competente. Lamentável, mas o que podemos fazer?

O segundo álbum do cantor chamado “Women + County” foi lançado recentemente e já pode ser encontrado na rede. Para ouvir mais trabalhos de sua carreira solo, visite o site oficial ou o MySpace ;)

Máquina de Matar

Posted in Música, Novidades with tags , , , , , , , , , , , , , on julho 13, 2010 by Jonatas

O cantor, ator, compositor, produtor, DJ e multi-instrumentista Tricky anunciou ontem que tem um disco preparado e pronto para ser lançado, chamado “Mixed Race”. Ícone do trip-hop e uma das personalidades mais completas do meio musical, Tricky é bastante conhecido por seus primeiros trabalhos com a banda Massive Attack, que foram lançados no início da década de 90. Já em sua empreitada solo, com canções sombrias e extremamente perturbadoras, cheias de texturas que mesclam rock, hip-hop e pop-art e um vocal lírico potente marcado pelo cigarro, fez história com seu álbum de estréia (“Maxinquaye”, de 1996), considerado o melhor disco daquele ano.

Desde então, Tricky nunca ficou parado. E também não alcançou grande sucesso. Camuflado por outros projetos, e sua personalidade forte e difícil, foi abafado pelas mídias ganhando status de celebridade cult. Seus maiores feitos foram as mixagens de trilhas sonoras de filmes como “O Corvo: A Salvação” (de 2000) e “A Rainha dos Condenados” (de 2002), além da atuação no filme “O Quinto Elemento” (de 1997) como um dos abestalhados aliens Zorg.

Segundo o cara, seu novo disco trás influencias de dub, reaggea e break-beat, podendo soar diferente de seus trabalhos anteriores. O primeiro single, “Murder Weapon” já está disponível:

“Mixed Race” trará participações especiais de Bobby Gillespie do Primal Scream e de Marlon Thaws, irmão mais novo de Tricky. O lançamento está previsto para setembro desse ano.

Discoteca: Korn – Korn III: Remember Who You Are

Posted in Discoteca, Novidades, Vídeos with tags , , , , , on julho 12, 2010 by Jonatas

Depois do fracassado álbum “Untitled” de 2007, o Korn parecia estar rumando para uma aposentadoria prematura. Já não era mais a mesma banda responsável por grandes hits durante a década de 90. O disco como um todo era desconexo, chato, cansativo… Repugnante. E assim uma das bandas mais importantes do new-metal estava se enterrando no fundo de um poço sem chances de voltar à superfície.

Entretanto, durante os 3 anos seguintes o que aconteceu com a banda foi surpreendente. As origens sonoras que imortalizaram os vocais de Jonathan Davis começaram a aflorar entre os músicos que reformularam a importância de sua crueza instrumental. E Davis religou seu foda-se, resolveu abusar de sua garganta novamente e tratar das consequências depois. O Korn conseguiu lembrar quem realmente é. E assim descolaram um título bom para seu nono trabalho de estúdio, um retorno miagroso direto do logro: “Korn III: Remember Who You Are”.

O novo disco soa como os melhores trabalhos da banda. É uma mistura do aclamado “Follow the Leader” com a brutalidade de “Life Is Peachy”. Os vocais voltaram à insanidade atemporal e contorções tonais impossíveis de serem alcançadas, variando do mais intenso urro ao choro em frações de segundo. Os riffs de guitarra voltaram a ser sarcásticos, encaixando-se perfeitamente aos vocais. A banda voltou com toda sua força às suas origens criando um ótimo trabalho (talvez um dos melhores da banda).

A produção do disco está simplesmente descomunal. Não há nada fora do lugar. Uma ótima notícia para todos os fãs do gênero que podem apreciar um trabalho verdadeiramente bom depois de praticamente uma década inteira sem nada aproveitável. “Korn III: Remember Who You Are” poderá em breve estrelar no panteão de consagrados álbuns de new-metal, lado-a-lado com outros clássicos do Korn.

Já é possível escutar um preview de quase todas as faixas do novo disco no MySpace oficial da banda. Caso queira ouvir na íntegra, dá para fazer download do álbum completo por ai (Infelizmente não posso compartilhar links para download).