Arquivo para energia

Orloff Five que foi Três e o Festival do Gás

Posted in Cultura Pop, Música with tags , , , , , , , , , , on setembro 8, 2008 by Jonatas

Nesse final de semana aconteceram dois dos primeiros grandes festivais desse segundo semestre de 2008 em São Paulo: O Gás Festival promovido pelo Guaraná Antártica e o Orloff Five promovido pela marca de vodka Orloff.

O post vai parecer grande, mas é por causa das imagens e vídeos, ok?!

No Gás Festival não houve nada demais, além da apresentação sempre ótima e madura dos veteranos do Bad Religion. A galera agitou com hits históricos e músicas do último disco de trabalho da banda. Se não me engano essa é a terceira passagem dos músicos aqui no Brasil, sendo que uma delas foi num aniversário da 89FM, quando ainda era a boa e velha rádio rock. Se não conhece essa banda, se enterra hahaha… Duvido que ninguém nunca tenha ouvido “American Jesus” ou “21st Century Digital Boy”, ou ainda mais recentemente “New America”. Banda punk, banda inteligente, banda de atitude!

Já no Orloff Five, o destaque foi completo e totalmente das bandas internacionais. O show dos brasileiros do Vanguart, apesar de serem muito bons e competentes, foi morno e sem muito sal. Foram ofuscados com certeza pelas atrações que entrariam mais tarde no palco. E o DJ Tittsworth… Bom, acho que ninguem percebeu que ele chegou a discotecar no intervalo dos shows. Pobrezinho.

Mas enfim, o importante é que todos os gringos não deixaram a desejar. Melvins, banda que rejeitou Kurt Cobain num teste, que faz grunge certeiro e animalesco sempre, fez um grunge certeiro e animalesco. Com seus 20 e poucos anos de estrada mostraram que o grunge não morreu e ainda deixa o povo desesperado nas rodas.

Confere ai “Civilized Worm”:

Depois entraram as garotas suecas (Não a banda Garotas Suecas) do Plasticines, bandinha meio alternativa, meio pop, com um oitavo de punk na atitude. Fizeram uma apresentação bem veterana apesar de praticamente debutarem nos palcos. Seus poucos singles conhecidos agitaram a platéia, mas o ponto forte foi o cover da canção de Nancy Sinatra, “This Boots Are Made For Walking”. Mas pra você conferir, rola a contagiante “Shake”:

Por fim, e definitivamente não menos importante, os Hives fizeram sua apresentação aterradora, energética, cabuloza, maligna, semi-afetada, punk de botique, espalhafatosa e arrogante. Com certeza eles são uma banda de palco e não de estúdio. As músicas são muito mais cruéis e secas, agitadas e sujas. E o vocalista é um show à parte, humilhando qualquer dançarino de psy com seus rebolations aleatórios, pulinhos surtados e chiliques doentios. Trabalharam principalmente seu disco novo, mas não faltaram os clássicos como “I Hate to Say I Told You So”:

E isso é só o começo do que vem por ai…