Arquivo para britrock

New-Shoegaze

Posted in Aleatórios, Música, Vídeos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on julho 14, 2010 by Jonatas

Antes de mais nada, o termo new-shoegaze não existe. Ele é uma teoria minha, baseada em coletas de dados pela internet. Para quem não conhece, o shoegaze é o nome dado para uma postura de palco que virou estilo musical. Tá, peraí, vou explicar…

No começo dos anos 90, as bandas britânicas surgiram com um rock etéreo sobrecarregado de guitarras poluidas no volume máximo, cheias de distorções e bizarrices que (literalmente) sujavam as canções e escondiam o ritmo. Bandas como Stone Roses, My Bloody Valentine e Ride encabeçavam esse “movimento” experimental sem parâmetros nem sentido. Mas o termo shoegaze veio das apresentações dessas bandas. Como um todo eles eram… Tímidos. Não conseguiam encarar a platéia, ficavam olhando para si mesmos de costas para o público como em um ensaio, ou para os próprios pés (shoe = sapato; gaze = olhar fixamente para). A mistura dessa postura e a sonoridade incompreensivel gerou o tal rock shoegaze. Mas enfim…

O que diabos é new-shoegaze? Porque você tá dando essa aulinha tosca de “história do rock”?

Bem, como percebemos constantemente, ninguém cria mais música. Usam referências do passado agregadas a modernidades infinitas e geram novos rótulos efêmeros perfeitos para dar nó na cabeça das pessoas e dos jornalistas. O que vejo é uma reconfiguração do shoegaze no cenário electro atual. Bandas como Crystal Castles (e novissima HEALTH (sim, em caps lock mesmo) estão misturando essas texturas distorcidas às suas batidas dançantes. E não são só eles: existe uma leva inteira de novas bandas seguindo esse padrão ainda sem nome, mas com características semelhantes.

Claro que nenhuma dessas bandas tem como padrão criar uma sonoridade assim. Digamos é que é um gênero dentro de gêneros que está aparecendo aos pouquinhos sorrateiramente, mas que tende a copular com outras vertentes musicais e gerar filhotes esquisitos. Dentre tudo o que escutei até agora (e que julgo poder entrar nesse “gênero”) a única banda que aparentemente só faz essa… bagunça… é a M83. Com uma carreira relativamente consolidada, os franceses mesclam dance e noise a aproximadamente oito anos. Vale a pena conferir a faixa “We Own the Sky” (só clicar para escutar) que é uma delícia!

Não sou o Polvo Paul para adivinhar o destino dessa “tendência”, se é que posso chama-la assim. O fato é que existe algo ai e nada melhor do que compartilhar observações diretamente do underground hehe xD

Para ouvir mais faixas do Crystal Castles visite o MySpace da banda. Já o HEALTH você pode escutar aqui e a M83 aqui. Procure também pelas bandas School Of Seven Bells, The Album Leaf, Salem e Slowdive.

#MM: Mansun – Wide Open Space

Posted in #musicmonday, Vídeos with tags , , , , , , on julho 12, 2010 by Jonatas

A banda britânica Mansum é um daqueles grandes exemplos de bandas independentes que poderiam alcançar lugares inimagináveis, mas não tiveram suporte suficiente para sair de seu país e abraçar o mundo. Formados em 1995, lançaram 4 discos em sua curta caminhada que terminou em 2003 com o rompimento do grupo. Com um rock alternativo pesado regado à influencia do pós-grunge e britrock, beirando o alternative-metal, vocais incrivelmente limpos e refrões memoráveis, puderam presentear nossos ouvidos com canções surpreendentes como a perfeita “Wide Open Space”, único hit da banda que alcançou as rádios.

A faixa é tão completa que chamou a atenção de gravadoras e produtores após alcançar a 15ª colocação nas paradas britânicas sem utilizar qualquer forma de divulgação que não os shows da banda. Claro que os caras do Mansun aproveitaram a oportunidade e fecharam alguns contratos elevando as vendas de seus EPs e permitindo a gravação oficial de seus discos posteriormente. Curiosamente a canção foi relançada em formatos diferentes diversas vezes junto a outros potenciais singles da banda como forma de impulsionar as vendas, ganhando até mesmo uma versão acústica e um remix de Paul Oakenfold. Mesmo assim, não foi suficiente para decolar a carreira da banda que sequer chegou aos EUA.

Para conhecer um pouco mais, visite esse MySpace. Não é oficial, mas tem algumas coisas bacanas ;D